O rato do campo e o rato do palácio, de António Mota: p. 122